terça-feira, 30 de junho de 2015

Nazaré


Descobri recentemente que tenho queda para nomes geográficos, isto é, nomes que remetem para cidades ou países e são simultaneamente admitidos como nomes próprios em Portugal, como Assis, Belém, Florença, Geórgia, India, Israel, Líbia, entre outros.

Nazaré, naturalmente, engloba-se nesta categoria, e tenho vindo a apreciar cada vez mais o nome com o passar dos dias. Tem uma sonoridade semelhante a nomes que cada vez ganham mais apreciadores como Salomé ou Tomé. Aquela última vogal acrescenta força nos nomes, dá-lhes mais impacto, torna-os ainda mais visíveis num tempo em que se opta por nomes como sons menos demarcados (como é o caso da diminuição do uso de nomes terminados em –ão – como Conceição, Assunção). Mas Nazaré é mais do que o “é” final: todo o nome é agradável e o som “Naz” num nome próprio é algo exclusivo em Portugal.

Antigamente o nome assumia uma função religiosa, por ser associado à terra onde nasceu a Virgem Maria e onde Jesus passou a sua infância, sendo que muitos textos se referem ao Messias como Jesus de Nazaré ou Jesus, o Nazareno. Por este motivo, o nome Nazaré não será desconhecido da maior parte das pessoas, contudo, a sua ligação à religião pode ainda ser muito forte e uma ligação intuitiva ao nome. No entanto, acredito que o nome vale por si só e acho possível encontrar uma menina Nazaré cujos pais não escolheram o nome por motivos religiosos.

Em Portugal, a título de curiosidade, existe uma vila portuguesa chamada Nazaré muito conhecida pelas suas praias e ondas perfeitas para o surf, que atrai todos os anos milhares de turistas na altura do Verão. Ainda que as raízes do nome também derivem da cidade israelita de Nazaré, a Nazaré portuguesa é hoje mais associada ao doce ócio de verão.

Desconhecendo quantas Nazaré nasceram no ano passado no Brasil, avanço que em Portugal nasceu uma menina assim registada. Sendo realista, sei que Nazaré não é um nome com grande potencial para retornar em força às listas das famílias, mas ficava muito feliz se alguém lhe quisesse dar uma oportunidade para brilhar.

Joana Recharte.

Davam-lhe essa oportunidade?

8 comentários:

  1. Simpatizo com Nazaré. Também tenho esse gosto por nomes "geográficos" mas Nazaré não é dos que mais me encanta. Acho Lídia, Florença, Siena, muito mais bonitos e agradáveis. Só gosto de Nazaré porque permite o diminutivo Né, que era como tratávamos a minha querida tia-avó Né (Irene) <3

    ResponderEliminar
  2. É estranho dizer isso - eu que gosto de Zoé - mas não soa bem a terminação, junto com o "Naza" que sempre lembra algo "Nasal" ....

    ResponderEliminar
  3. Foi muito usado no Brasil o composto Maria de Nazaré, mas faz muito tempo. Hoje em dia é um nome visto apenas em senhoras, não imagino uma criança com esse nome. Tb foi usada por aqui a grafia Nazareh.

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto do nome mas nunca por causa daqui da Nazaré

    ResponderEliminar
  5. Não sou grande fã de Nazaré, mas não chego a não gostar. Não teria coragem de usar, mas adoraria conhecer uma pequena com esse nome...Talvez mudasse minha opinião de uma forma positiva, como a menininha da foto quase o fez! haha.
    Me lembra demais uma vilã da novela Senhora do Destino, Nazaré Tedesco, interpretada pela Renata Sorrah, que matava as pessoas ao atirá-las de uma escadaria! :p

    ResponderEliminar