sábado, 19 de setembro de 2015

Magda


Magda é nome geográfico mais ou menos óbvio, remete para a cidade de Magdala uma cidade palestiniana da época bíblica do Novo Testamento, situada junto às margens do Mar da Galileia, sendo por isso conhecida como Magdala Nunayya (Magdala dos Peixes). Em hebraico, Magdala era a palavra utilizada para designar “torre” e é, presumivelmente, o nome da terra natal de Maria Madalena, originalmente Magalene, que designava a sua origem. Neste sentido, confirma-se que Magda, ao ser um diminutivo de Magdalena, é por extensão um nome geográfico.

Embora reconhecido entre o nosso povo, Magda nunca foi um nome extremamente popular e se olharmos para os registos portugueses de 1920-1980 rapidamente constatamos que durante vários anos – alguns deles consecutivos – Magda não obteve nenhum registo, começando misteriosamente a subir no final da década de 60 e atingindo um máximo 195 registos nos anos de 1976 e 1978, sendo que até 1980 encontrava-se acima dos 100 registos anuais. Hoje em dia, os números são muito menores, e somos até capazes de achar que Magda “já passou à história”, mas gostaria de vos apresentar uma análise comparativa com foco nos últimos 3 anos em Portugal. Em 2012, Magda foi registado 18 vezes, o mesmo número de registos verificados para Carmo e Victoria (sem acento), nomes bastante requisitados entre os portugueses. Em 2013, foi registado 10 vezes, tantas vezes quanto os nomes Sílvia, Samanta ou India! Por fim, em 2014, Magda obteve 14 registos, tal como os nomes Antónia, Luz e Marina! E se atentarmos a esta semelhança de registos podemos verificar que Magda é tão bem aceite pelos portugueses quanto outros nomes que tendemos a apreciar, pelo que a sua baixa frequência não deve ser sinónimo de um nome ultrapassado.

No Brasil, o nome também não é dos mais apreciados, não constando no Top dos nomes femininos mais utilizados. Por curiosidade, é um nome de um município do Estado de São Paulo.

Magda é um nome relativamente utilizado noutros países, como Suécia, Croácia, Holanda, Alemanha e Noruega, daí que o critério de ser internacional esteja cumprido. É forte, tem uma sonoridade imponente e praticamente exclusiva no universo onomástico português e brasileiro. Como referências temos Magda Gabor, socialite norte-americana dos anos 50, as cantoras de ópera Magda László e Magda Olivero, várias atletas e atrizes, mulheres das artes e do desporto! Pessoalmente, não estranharia ver uma Magda pequenina e até acho bem mais interessante que as escolhas recorrentes que já cansam um bocadinho!

Joana Recharte.

Qual é a vossa opinião sobre este nome que todos conhecem mas pouco se ouve?

4 comentários:

  1. Magda não é usado e nem usável no Brasil por um motivo simples: Um programa humorístico e uma personagem deste programa tinha este nome. Pra mim é dos programas humorísticos brasileiros mais famosos de todos os tempos e a personagem Magda era meio "burrinha". Além do mais tinha o personagem Caco Antibes, do Miguel Falabela gritando "Cala a boca, Magda!". Fora essa imagem do nome, tenho uma implicância com a sonoridade deste nome, sei lá é meio bagunçada.

    ResponderEliminar
  2. Concordo com Luinara. Muito caricato, lembra totalmente a personagem da Marisa Orth no programa Sai de Baixo. Além disso, tem uma sonoridade dura, pesada, mau humorada. Acho que não é um nome recuperável, pelo menos para nós brasileiros, nas proximas décadas.

    ResponderEliminar
  3. Eu simpatizo com Magda, mas tenho q concordar q é um nome q ficou caricato no Brasil.

    ResponderEliminar