sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Tomé


Quando falámos sobre Tomás apresentámos suavemente Tomé porque, na verdade, Tomás e Tomé são exatamente o mesmo nome, pois ambos têm origem na mesma palavra aramaica – Ta’oma’, que significa gémeo. Mas se assim é, como é que temos à nossa disposição duas variantes do mesmo nome?

Tomás chegou até nós pela via mais erudita, pela via da cultura e da literacia, enquanto Tomé era a variante popular deste nome, aquela que o povo mais conhecia (estava presente na Bíblia). E talvez por este motivo, Tomás sempre foi mais associado às classes altas, o que atualmente já não corresponde à verdade.

A tradução portuguesa da Bíblia indica o nome do apóstolo de Jesus como Tomé mas muitas questões se elevam em torno desta figura e desta tradução, sendo que Tomé não era um nome próprio na época, mas apenas um epíteto que significava o gémeo. Em alguns trechos da Bíblia, Tomé aparece como segundo nome de Judas, referindo-se provavelmente a São Judas Tadeu, embora as traduções atuais da Bíblia se refiram a eles como duas pessoas distintas. Mas, de qualquer das formas a questão mantém-se: Tomé, ou Judas Tomé, gémeo de quem? Alguns estudiosos sugerem que esta figura possa ter sido irmão (gémeo) do próprio Jesus Cristo, o que é extremamente polémico. De qualquer das maneiras, o que é realmente consensual acerca de São Tomé chegou até nós através do Evangelho de São João, onde Tomé se mostra incrédulo com a ressuscitação de Cristo, daí se ter popularizado a expressão: ver para crer!

O nome em si tem mantido um percurso mais ou menos estável nas últimas décadas, rondando os 15 registos anuais durante todo o século XX, até que a sobrepopularização de Tomás desencadeou uma procura ativa de alternativas semelhantes, daí que, nos últimos anos, Tomé exceda o número habitual registos! Em 2013 foram registados 58 meninos assim chamados e em 2014, 57, juntamente com um total de vinte e cinco compostos. Destes compostos registados em Portugal, em 2014, gosto particularmente de Tomé Filipe, Pedro Tomé, Valentim Tomé e Tomé Lourenço.

Tomé é um nome modesto e discreto no panorama português que combina muito bem com nomes mais clássicos ou que estão na ribalta, dando-lhes um toque de espontaneidade e originalidade que hoje em dia se precisa! Para mim, é um nome com uma sonoridade muito demarcada, forte, mas ao mesmo tempo é capaz de ser dono de uma delicadeza extraordinária. É um nome bíblico e é extremamente bonito. A pecar, peca pela pouca internacionalização.

Joana Recharte.


Na vossa opinião, Tomé tenderá a popularizar-se mais nos próximos anos?

4 comentários:

  1. Prefiro Tomás mas não desgosto de Tomé

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que sim, que se irá tornar mais popular.
    Gosto muito, até mais do que Tomás.

    ResponderEliminar
  3. Gosto de Tomás e Tomé acho dois nomes muito bons.. Tomé é muito fofinho, podia ser mais lembrado. Gostei do composto Tomé FElipe, com E, pois adoro essa sonoridade ;)

    ResponderEliminar
  4. Acho Tomé um nome muito alegre, divertido, descontraído, já Tomás é um pouco mais sério, mas os dois são igualmente graciosos pra mim. Não creio q vá se popularizar no Brasil, mas acho q poderia ser um nome mais usado. Gostei do composto Pedro Tomé.

    ResponderEliminar