domingo, 22 de janeiro de 2017

Santiago


Há nomes que vivem uma fervorosa popularidade, são queridos, são bem-amados, todos os querem. No fundo, é tudo isso que caracteriza um nome da moda: tem de ser um nome que muita gente aprecie e a sua beleza seja consensual para a maioria da população. Inquestionavelmente, Santiago é um desses nomes, um nome que marcou a última década em Portugal e agora é o seu número 1!!

É difícil dizer que fatores despoletam uma apreciação global de um nome, muitas vezes parte da cultura específica de um país ou região, nem que seja através das novelas, e depois a moda vai-se espalhando, casa a casa, ano após ano. É muito curioso este fenómeno, mas a grande questão que se coloca é: Santiago será popular o tempo suficiente para ser considerado um nome clássico (como Alexandre ou Miguel, que sempre foram usados) ou esfumar-se-á no tempo (como Marco ou Sérgio, que foram usados só em décadas específicas). A verdade é que teremos de esperar para ver onde o tempo leva este nome!

Quando olhamos para os registos do nome entre 1920 e 1980 temos uma grande surpresa. Santiago era um nome raríssimo, ainda menos utilizado que Egas ou Sancho, por exemplo. Em 60 anos apenas 21 rapazes receberam este nome, e nunca houve mais do que 3 registos por ano! Deveras surpreendente quando cruzamos estes dados com a atualidade. Em 2011 Santiago já se apresentava no 15º lugar do ranking português, subindo para 14º em 2012, 5º lugar em 2013 (1406 registos), posição que manteve em 2014 (1428 registos), e subindo mais uma vez em 2015 para o 4º lugar (1632). Mas a surpresa das surpresas chegou há bem pouco tempo! Em 2016, fazendo história e assumindo a sua hegemonia absoluta, em 2016 Santiago destrona o favorito português e conquista o 1º lugar dos nomes masculinos mais usados em Portugal (2102 registos)!

De igual modo, Santiago era praticamente desconhecido no Brasil até finais dos anos 90 e inícios dos anos zero, altura a partir da qual começou a subir até aos nossos dias. É difícil seguir o percurso de Santiago no Brasil nos últimos anos, devido à falta de dados que se faz sentir. Podemos é dizer com toda a certeza que Santiago estreia-se pela primeira vez no top 100 no ano de 2015, onde conquistou a 93ª posição, mas logo em 2016 abandonou o top. Este aparecimento fugaz de Santiago no top brasileiro é um alerta que nos diz que o nome está a ser amplamente utilizado por todo o território brasileiro e talvez já não seja uma escolha tão original quanto se possa pensar! Em São Paulo (2015), curiosamente, foram apenas registados 57 meninos com este nome, sendo os compostos mais utilizados Arthur Santiago, Davi Santiago e Miguel Santiago.

Na sua origem, Santiago está ligado a Jacob (do hebraico que significa aquele que sucede), conforme explicámos na publicação sobre Tiago: “Jacob chegou a território português sob a sua forma original e sob a forma ibérica Iago! Esta última variação do nome tornou-se muito apelativa para os portugueses e espanhóis que o usaram de forma pouco contida no início do período medieval e terá sido precisamente a variante Iago que deu nome ao Santo com grande tradição na zona Oeste de Espanha (Santo Iago), cuja aglutinação viria a criar Santiago!”

Em termos de referências geográficas temos Santiago de Compostela (em Espanha), grande lugar de peregrinação desde a Idade Média até à atualidade e Santiago (Chile).

Que acham de Santiago? A popularidade incomoda-vos?


Fontes consultadas:
Ana Belo (1997) Mil e tal nomes próprios, ARPEN/SP, Behind the Name, Diário de Notícias, IBGE, IRN, Jornal de Notícias, Nomes e Mais Nomes, O Blog dos Nomes e SPIE.

3 comentários:

  1. Simpatizo, mas ainda prefiro apenas Iago. No Brasil tb é usado como sobrenome.

    ResponderEliminar
  2. Até achei graça quando o conheci mas a popularidade fez perder toda a graça.

    ResponderEliminar